Plano europeu de combate ao câncer inclui tributação de produtos não saudáveis

No início do mês, a União Europeia lançou um plano integrado de combate ao câncer que prevê investimentos de quase 5 bilhões de dólares e a promoção de políticas preventivas como a tributação de produtos não saudáveis. Com isso, espera-se reduzir em até 40% os casos evitáveis da doença na região.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que de 30 a 50% de todos os cânceres poderiam ser evitados por meio do controle dos principais fatores de risco, que incluem o tabagismo, a alimentação inadequada, especialmente o consumo excessivo de bebidas e alimentos ultraprocessados, e o uso abusivo de álcool. Políticas que aumentem os impostos e preços desses produtos são justamente uma das maneiras mais custo-efetivas de reduzir o uso e, assim, prevenir doenças como o câncer. Além disso, a arrecadação resultante pode ser reinvestida na saúde, potencializando ainda mais os ganhos.

Outras medidas citadas no plano incluem:

  • Expandir leis de ambientes livres de fumo para incluir também espaços abertos e cigarros eletrônicos e produtos de tabaco aquecido (em locais em que as legislações existentes não preveem isso);
  • expandir o sistema europeu de rastreamento de cigarros para todos os produtos de tabaco;
  • propor a adoção de advertências sanitárias em rótulos de bebidas alcoólicas;
  • fiscalizar mais rigorosamente e promover medidas de controle da publicidade de álcool, incluindo em meios digitais;
  • reduzir a presença de carcinogênicos em alimentos;
  • disponibilizar mais alimentos saudáveis em escolas;
  • propor a adoção de um modelo de rotulagem nutricional frontal;
  • medidas para reduzir a poluição do ar.

O plano menciona ainda várias outras recomendações e diretrizes a serem aplicadas no continente nos próximos anos. Se isso de fato acontecer, os benefícios serão enormes – e não só para a prevenção do câncer, mas também de outras doenças crônicas. Seria muito positivo se outras regiões e países, incluindo o Brasil, se inspirassem no exemplo europeu e também promovessem medidas regulatórias de prevenção, especialmente para diminuir o consumo de produtos não saudáveis.

Clique aqui para ler o plano completo (em inglês).

 

Deixe uma resposta