ACT participa de Assembleia das Nações Unidas

A ACT Promoção da Saúde, representada pela diretora geral Paula Johns, participou da 73a Assembleia Geral das Nações Unidas, em Nova York, como parte da comitiva do governo brasileiro que está na Reunião de Alto Nível das Nações Unidas para Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNTs), entre os dias 25 de setembro e  1o de outubro.

Por Anna Monteiro, Diretora de Comunicação da ACT

Reunião de Alto Nível sobre DCNTs

A Reunião de Alto Nível, que reúne chefes de Estado, teve foco nas DCNTs, que incluem as doenças circulatórias, respiratórias crônicas,  câncer e diabetes, e são responsáveis por cerca de 74% de todas as mortes globais, anualmente. Seus fatores de risco principais são o uso do tabaco, de álcool, a alimentação baseada em produtos ultraprocessados e o sedentarismo.

Metas

A meta global da Organização Mundial da Saúde (OMS) é a redução de 30% da prevalência do consumo de tabaco em adultos e adolescentes. De acordo o Plano Nacional de Enfrentamento das DCNT do Brasil, do Ministério da Saúde, a meta é a redução da prevalência de tabagismo em adultos de 15,1% (2011) para 9,1% em (2022).

Para excesso de peso e obesidade, segundo a OMS e o Plano de Enfrentamento às DCNTs no Brasil, a meta é deter seu crescimento. Em 2017 o Brasil tornou-se o primeiro país a assumir compromisso formal com três metas específicas para a Década de Ação em Nutrição:

  • Deter o crescimento da obesidade na população adulta por meio de políticas de saúde e segurança alimentar e nutricional
  • Reduzir o consumo regular de refrigerante e suco artificial em, pelo menos, 30% na população adulta
  • Ampliar o percentual de adultos que consomem frutas e hortaliças regularmente em, no mínimo, 17,8.

Em relação ao álcool, mais de 3 milhões de pessoas morreram, em todo o mundo, em 2016, como consequência de seu uso nocivo, de acordo com relatório da OMS divulgado na última semana. Isso significa uma em cada 20 mortes atribuíveis ao álcool.

A meta da OMS é uma redução relativa de 10% no consumo de álcool, globalmente, entre 2010 e 2025. Já  a meta nacional é a redução das prevalências de seu consumo de 18% (2011) para 12% em (2022). As ações mais efetivas para isso incluem impostos sobre bebidas alcoólicas, restrição da propaganda e do acesso.

Sobre atividade física, estudo do The Lancet mostrou que um a cada quatro adultos, em todo o mundo, são sedentários. O Plano Global de Ação em Atividade Física tem a meta de reduzir a inatividade física em 10%, até 2025, e 15%, até 2030.

Dados da PNAD 2015 revelaram que menos de 40% dos brasileiros costumam praticar algum tipo de esporte ou atividade física.

Agenda 2030

O dia  25 de setembro é a data que marca os três anos adesão dos 193 países Estados-Membros da ONU que assinaram a Agenda 2030 e aderiram aos 17 Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS).  Todos os anos, para celebrar a data, a Campanha de Ação dos ODS (#Act4SDGs) mobiliza ao redor do mundo a ONU, governos locais e nacionais, instituições e organizações de todos tipos, a mídia, grupos da sociedade civil, cidadãs e cidadãos para uma iniciativa global em prol dos ODS.  O GT Agenda 2030 promoveu um tuitaço para divulgar dados sobre os ODS no Brasil com o uso das hashtags #Act4SDGs, #EuApoioODS, #NãoDeixeNinguémParaTrás e #Agenda2030.

Contagem 2030

A NCD Alliance, da qual a ACT faz parte, tem colaborado com The Lancet e o Imperial College London, instituição britânica com foco em ciências, além da OMS. Juntas, as organizações lançaram o NCD Countdown 2030, uma contagem para o cumprimento das metas de saúde previstas nos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável. Menos da metade dos países analisados estão trabalhando para reduzir as mortes prematuras em 30% até 2030. A maioria dos países não conseguirá atingir essas metas até 2040 e requerem políticas públicas para melhorar.

O NCD Countdown 2030 produzirá, a partir de 2018, relatórios regulares para incorporar avanços aos dados disponíveis, incluindo cobertura de tratamento, fatores de risco, implementação de políticas e o posicionamento das DCNTs na saúde em geral e no desenvolvimento.

Deixe uma resposta