Cigarro – é melhor largar de uma vez ou aos poucos?

Estudo mostra mais sucesso por quem tenta um abandono abrupto do que por quem busca uma saída gradual do vício

Muitos fumantes que querem largar o cigarro preferem uma abordagem gradual, reduzindo o consumo antes de parar em um dia previamente designado. A melhor estratégia, no entanto, é marcar uma data e deixar de fumar de forma abrupta, aponta estudo de pesquisadores da Universidade de Oxford, no Reino Unido, publicado nesta segunda-feira no periódico científico “Annals of Internal Medicine”.

Para a análise, que confirma a recomendação da maior parte dos especialistas de que mais vale largar o cigarro logo do que tentar fumar cada vez menos, os cientistas liderados por Nicola Lindson-Hawley recrutaram 697 fumantes que expressaram o desejo de lutar contra o vício. Eles foram divididos em dois grupos: o de “cessação abrupta”, que marcou um dia e deixou de fumar totalmente na data estipulada; e o de “cessação gradual”, que também marcou um dia, mas gradualmente reduziu seu consumo nas duas semanas anteriores à data estipulada. Além disso, ambos grupos receberam aconselhamento e tiveram acesso a terapias de substituição de nicotina, como adesivos, chicletes e sprays bucais.

Uma vez passada a data determinada para largar o cigarro, os pesquisadores avaliaram o desempenho dos dois grupos nas quatro semanas seguintes, assim como seis meses depois. Além de perguntarem como estavam enfrentando a situação, os cientistas mediram a quantidade de monóxido de carbono que eles expiravam, um forma objetiva de verificar se de fato não estavam fumando.

Ao fim das primeiras quatro semanas, 39% dos integrantes do grupo da cessação gradual mantiveram distância do tabaco, contra 49% dos que largaram o cigarro abruptamente, ou cerca de 25% a mais. A diferença, no entanto, foi construída basicamente na própria data marcada para o abandono, em que uma proporção maior dos voluntários do grupo de cessação abrupta cumpriu a meta, definida como não consumir tabaco por ao menos 24 horas, do que os que adotaram a abordagem gradual.

A diferença nas tentativas de parar parece ter surgido porque as pessoas sofreram para reduzir o consumo – considera Nicola. – Mas se a pessoa de fato tentou parar, a taxa de sucesso foi igual nos dois grupos. Também observamos que mais pessoas preferiram a ideia de abandonar gradualmente, mas independentemente do que pensavam, elas eram mais propensas a parar no grupo da cessação abrupta.

Nicola destaca, porém, que o estudo foi realizado com pessoas que queriam parar de fumar logo, e por isso buscaram aconselhamento e usaram métodos de substituição de nicotina. Assim, segundo ela, para quem quer de fato abandonar o cigarro, o melhor é mesmo escolher um dia e deixar de usar tabaco completamente na data marcada.

Mas também vimos no começo do estudo que muitas pessoas não conseguem se imaginar capazes de parar completamente – ressalva. – Para essas pessoas, é muito melhor tentar reduzir o consumo do que não fazer nada, e por isso precisamos aumentar o apoio a quem quer fazer uma cessação gradual de forma a aumentar as chances delas serem bem-sucedidas.

Fonte: http://oglobo.globo.com/sociedade/saude/para-parar-de-fumar-melhor-largar-cigarro-de-uma-vez-18875926

Deixe uma resposta